terça-feira, 13 de julho de 2010

Professores contratados pelo governo biônico de roseana estão há 4 meses sem receber salários

Sempre afirmei que os professores deveriam receber os melhores salários da república. Infelizmente a realidade não é bem assim. Recebemos um dos piores e para variar professores contratados pelo governo biônico de roseana sarney denuniciam que estão há 4 meses sem receber. Uma verdadeira vergonha para a categoria dos professores. A 'aliada' de Lula não se segue as diretrizes da política nacional de educação que investe pesadamente na universalização do acesso ao ensino médio e profissionalizante e do acesso ao ensino superior. O resultado é que nunca se viu tanto recurso destinado à educação como agora. Infelizmente o Maranhão continua seguindo na contramão do Brasil.

Abaixo a denuncia:

ALÉM DA IMAGINAÇÃO
É triste a situação dos professores e professoras contratados pelo Estado do Maranhão. Somos a maior prova de que o compromisso desse governo é com a propaganda que visa enganar o nosso povo e nunca com o ensino que - como já sabemos - deveria ser público, gratuito e de qualidade.
No inicio do ano nos submetemos a um “seletivo meritório” que, segundo o governo, acabaria com as indicações sem critério que vigorava nos anos anteriores (acho que eles não lembram que no deles também era assim!). Aguardamos então a listagem de aprovados e fomos para as escolas indicadas, acordados por contrato escrito que receberíamos por vinte horas semanais metade do que ganha um nomeado pelo mesmo serviço prestado numa mesma quantidade de horas aulas, o que para mim já constitui-se num tremendo absurdo... Mas atire a primeira pedra quem nunca esteve desempregado e precisou se submeter a algumas humilhações. Às vésperas das férias de julho fomos comunicados que teríamos nosso sagrado descanso suprimido em 17 dias e que as notas de nossos alunos seriam lançadas on-line, o que dobra o nosso serviço burocrático sem que tenhamos qualquer compensação por isso. E pior, nossas escolas na sua grande maioria não tem laboratório de informática, portanto o professor deverá custear mais esse “luxo propagandístico”. O contrato tem validade de dez meses e depois estaremos na rua sem direito se quer a um muito obrigado, e se algum excedente de concurso ganhar na justiça o direito a vaga que ocupamos na escola somos varridos como se também não tivéssemos feito uma avaliação que comprove nossa capacidade.
Mas nosso suplicio não acaba aí! Todo trabalhador da capital, ou área metropolitana do nosso estado, sabe que pagamos passagens de valor muito alto, por transportes coletivos em condições deploráveis, lotados, que nos causam problemas terríveis de saúde e nos expõem a assaltos e toda sorte de violência (que se fossemos comentar daria outro texto apelativo!).
Além de tudo isso vem o mais grave. Vamos entrar no quarto mês seguido (!) sem receber se quer um único centavo do Estado. Certamente o secretário de educação, o senhor Anselmo Raposo se empolgou demais com o cargo que ocupa e, muito emocionado, acha que estamos num episódio de “Além da Imaginação”. Só assim dá para explicar tamanho desrespeito para conosco.
Como não diria melhor João Cabral de Mello Neto “Um galo sozinho não tece uma manhã”, por isso o secretário antes de ir para a mídia propagandear os grandes feitos de sua nada animadora gestão, num setor estratégico, que caiu de presente no seu colo, deveria lembrar-se que estamos no mesmo barco passageiro, nos aviltar e desmotivar, não lhe logrará frutos. Não vivemos num espaço idílico e bucólico perdidos num canto qualquer da Grécia antiga, gostaríamos de receber nosso ordenado como qualquer trabalhador, afinal, professor também é gente.

ZÉ DA JULIA
(Professor contratado do Estado , no Ensino Médio)

2 comentários:

Max disse...

É verdadeira idiotice dizer que vivemos numa democracia representativa. Lula de um lado, com seu belo termo Armani e de outro Roseana, com suas belas matracas de São João. Ah, ainda tem Castelo, que ninguém sabe onde está. Porra, ser professor nesse lugar (Maranhão) é um verdadeiro exercício de boa vontade. Escolas sucateadas e mal conservadas, direção totalmente anti-pedagógica e alunos “burróides” que não aprenderam no fundamental a diferença entre A e B. É o fim trabalhar 4 meses sem receber absolutamente nada, tendo que comprar livros, tirar Xerox, comprar pincel e até álcool para apagar o belíssimos quadros brancos. É triste, verdadeiramente triste pensar em ser professor no Maranhão, sobretudo quando se pensa posso comprar um terno Armani? Posso destinar o dinheiro da cultura, da educação e da saúde para promover festas juninas, julhinas e pessoais? Ou ainda, posso sumir do mapa, depois de plantar palmeiras de Dubai nos retornos de São Luís e esperar que elas brotem nesse calor desgraçado. Ser professor é, acima de tudo, ser a classe mais utópica e mais burra de toda essa nação.

PROFESSOR FRANCISCO HENRIQUE disse...

Sou professor contratado pelo estado e estou na mesma situação precária em que nos escontramos todos os professores.
Hoje estive na SRH da SEDUC no monte castelo e lá me deparei com 6 colegas na mesma situação. Um deles - Francisco das Chagas - estava com um cartaz pregado numa blusa feita de plático preto que dizia: " PROFESSOR EM GREVE DE FOME". O mesmo me informou que só sairia dali quando pagassem ou numa ambulância, pois o mesmo não se alimentava desde 8 da manhã. VEJA EM QUE SITUAÇÃO NOS ENCONTRAMOS?!
Não estamos pedindo esmola, não! Apenas queremos os vencimentos pelos dias trabalhados com muito suor.
O transporte que usei nos mêses de abril, maio, junho e parte de julho foram dados pela minha mãe, meu primo e minha irmã até que "em julho" eu devolvesse tudo a eles centavo por centavo. Veja! Não recebi nada. E desde dia 2 de agosto não vou à escola por não ter coragem de solicitar a mais niguém o transporte para o João Paulo, local onde leciono! Simplesmente não irei até receber meus vencimentos!