domingo, 28 de julho de 2013

Assembleia Popular de São Luís realiza reunião na comunidade Eugênio Pereira que está ameaçada de despejo por grande empresa imobiliária.





No dia 27/ julho (sábado), a Assembleia Popular de São Luís -Maranhão, fez uma visita à Comunidade Eugênio Pereira, a Assembleia realizada na Escola Comunitária contou com a participação e apoio de várias outras comunidades.
A Assembleia foi coordenada pelo GD de Mobilidade, Transporte e Reforma Urbana. Carmem, representante da Comunidade Eugênio Pereira explicando a situação pela qual a comunidade passa há cerca de seis anos, dá ênfase ao fato da luta empregada para a construção da escola e do trabalho contínuo para a alfabetização das crianças, jovens e adultos.

A estrada de acesso a Comunidade não está asfaltada, a comunidade pediu a Prefeitura de Paço do Lumiar para realizar o asfaltamento, porém utilizando o pretexto do período chuvoso, a prefeitura não o realizou. O Transporte público, devido ao não asfaltamento da estrada fica inviável.

Dona Carmozina, representante da Comunidade Todos os Santos e Ana, representante da Comunidade Tendal, questionaram o Programa "Minha Casa, Minha Vida". Segundo D. Ana "...se formos para Minha Casa, Minha Vida a gente vai viver de que? A gente não quer "Minha casa, Minha Vida", a gente quer Regularização Fundiária".

Em suas falas, percebe-se que estes moradores não desistirão de sua luta, e cada vez mais necessitam de apoio, somar forças neste momento é de suma importância para resistir ás investidas do Estado repressor.

Saulo representante da CSP Conlutas, reiterou a importância da realização da Assembleia, "...estamos aqui pela resistência desta comunidade".

A luta da Comunidade Eugênio Pereira assim como de tantas outras comunidades ameaçadas de despejo vai muito além da Terra. Carmem enfatiza que "...A luta não é só por terra, é por saúde, educação e trabalho digno aos moradores."

Segundo a representante da Comunidade Pindoba as crianças são as que mais sofrem nas comunidades ameaçadas de despejo, "...adulto sabe se defender, fugir da bala mas as crianças não."

Umas das pautas principais do Coletivo de Ocupação da Câmara de Vereadores de São Luís é a Regularização Fundiária. Não faz sentido tirar essas famílias de seu lugar, remanejando-as a um outro onde não terão possibilidades de produzir, sem alternativas de emprego, dependendo apenas das ridículas Políticas Compensatórias do Governo. Ser expulsas de seu espaço é perder sua autonomia, pois essas comunidades criam um vínculo de amor pelo lugar onde moram."

O Coletivo da Assembleia Popular de São Luís, o Coletivo de Ocupação da Câmara Municipal de São Luís juntamente com as Comunidades ameaçadas de despejo e tantos outros movimentos reivindicatórios não cessarão em sua luta, ao contrário esteremos cada vez mais unidos, mesmo com governo e mídia fazendo de tudo para tornar esta luta ilegítima.
OCUPAR E RESISTIR, SEMPRE !!!

Um comentário:

Marizélia Ribeiro disse...
Este comentário foi removido pelo autor.